Mal de Parkinson: Sintomas e Tratamento

Uma doença do cérebro e que atinge, de forma degenerativa, vários outros aparelhos do corpo humano é a definição mais pura e simples do Mal de Parkison, descrita e elaborada pelo especialista James Parkinson, em 1817, que estudou todas as variantes da doença e chegou aos resultados que temos nos dias de hoje.

O Mal de Parkinson trata-se de um mal que provoca uma série de dificuldades nas pessoas atingidas, como as dificuldades em caminhar, se comunicar, se locomover e se coordenador de maneira ordeira. Os corriqueiros tremores no corpo e certa rigidez nos músculos são dois dos maiores sintomas da doença.

mal de parkinson em jovensÉ considera uma doença progressiva que abala o sistema nervoso do paciente de forma latente, o que provoca todas as dificuldades relatadas acima. Pacientes de faixa etária mais elevada e que possuem histórico da doença na família estão mais propícios à doença, que de acordo com pesquisas publicadas na área, costuma aparecer entre os 50 e 60 anos de um idoso.

A morte de determinadas células cerebrais é considerada a maior causa do Mal de Parkinson e está relacionada à escassez da substancia dopamina no cérebro.

As células nervosas utilizam-se deste componente para darem todo o tipo de suporte na movimentação muscular dos seres humanos.

PROPAGANDA

A doença começa a se propagar quando o cérebro sente a falta da dopamina – fato este ocasionado pela ruptura das células que produzem a mesma. As células restantes não conseguem lidar com a falta da substância e acabam não se comunicando corretamente com as funções musculares.

Sintomas e Tratamento Do Mal de Parkinson

A perda gradativa da memória, a depressão, tonturas constantes e a dificuldade na fala estão entre os maiores sintomas da doença, ao lado dos tremores, que são os mais eloquentes sinais que a mesma se instalou num paciente.

Os Demais Sintomas Do Mal de Parkinson São:

Dificuldades em movimentos automáticos – como o simples ato de piscar os olhos.
Seguidos resfriados
Babar e a degradação na expressão
Voz lenta, rouca e indolente.

O tratamento da doença é realizado de diversas maneiras e é importante ressaltar que não há cura para o Mal de Parkinson e o tratamento é designado no processo de controle e diminuição dos sintomas.

A inserção do nível de dopamina no cérebro, realizada por meio de medicamentos, é o tratamento mais realizado e indicado pelos especialistas. A substância, que deveria ser geradas por células cerebrais, alivia os potenciais riscos do Mal de Parkinson – como até mesmo a morte do afetado.

O trabalho de intervenção sobre a doença também pode ser cirúrgico, embora os resultados sejam parecidos com a ingestão dos medicamentos.

Atividades Que Auxiliam no Combate a Doença

Determinadas recomendações podem auxiliar o doente a manter uma vida estável, mesmo quando a doença está num estágio agressivo. Uma das primeiras e mais expressivas ordens é o que o paciente procure um especialista – tão logo perceba alguma mudança no comportamento, como o tremor, por exemplo.

Outras Recomendações, Caso Observada a Doença, São:

– Manter a rotina e não se desesperar com o aparecimento da doença. Mantenha seus hábitos. Leia, assista uma telenovela, um jornal etc;

– Alimente-se de forma balanceada e saudável;

– Pratique atividades físicas sempre que possível. A caminhada é fundamental, pois também atua no fato do espairecimento do doente;

– Evite o estresse;

– Recorra a uma fonoaudióloga e a uma fisioterapeuta;

– Seja parceiro de seu médico.

PROPAGANDA