Frutose faz mal? Tire todas as dúvidas sobre essa substância

Ultimamente temos prestado mais atenção ao que consumimos os mínimos detalhes e uma das substâncias que mais têm chamado a atenção dos pesquisadores no assunto é a frutose. Esta substância nada mais é que o açúcar das frutas, mas que, ultimamente, passou a ser utilizada em grande escala nos produtos industrializados.

Algumas pesquisas já apontam que a frutose pode estar diretamente relacionada com o desenvolvimento da obesidade e doenças do sistema cardíaco. Mas será que isso é verdade? Vejamos abaixo algumas informações sobre esse nutriente que nos ajudarão a desvendar essas dúvidas!

O que é frutose?

Como já foi dito, a frutose é o açúcar natural das frutas, aquele sabor adocicado que sentimos ao comer algumas delas como banana, maçã, melão, dentre tantas outras. O grande problema encontrado nessa substância é que ela faz parte do grupo dos carboidratos simples.

O que é frutose

Eles, quando em excesso, costumam ser estocados na forma de gordura. Isso ocorre, principalmente, em pessoas sedentárias que costumam consumir muito mais desse açúcar do que o necessário para a manutenção das suas atividades diárias.

PROPAGANDA

A frutose é classificada como uma hexose – carboidrato que possui seis carbonos na sua composição – e tem forma molecular muito parecida com a glicose. A diferença entre esses açúcares é o grupo químico que na frutose é uma cetona e na glicose, um aldeído.

Consumir ou não a frutose?

A frutose é nada mais que uma combinação de monossacarídeos, mas, como já foi dito, o seu excesso pode fazer aquela gordura localizada aparecer. Além dos problemas estéticos, ela também pode causar danos à saúde como obesidade e diabetes.

Mas a frutose não está apenas nas frutas, no mel ou em algumas hortaliças. Esse açúcar se popularizou consideravelmente na fabricação de alimentos industrializados. O xarope de milho é um excelente exemplo de alimento rico em frutose e que se tornou bastante famoso na década de 60.

Como o custo da frutose é menor para as empresas, ele passou a substituir a sacarose (açúcar da cana) nos mais diversos alimentos como refrigerantes, molhos prontos e demais industrializados. Assim, o consumo desse açúcar ficou acelerado, especialmente nos Estados Unidos, que viu, ao longo dos anos, uma população de obesos crescer de forma assustadora.

O grande porém aqui é que, os alimentos industrializados possuem um teor muito maior de frutose quando comparado às frutas. Seria necessário comer bacias de uvas, por exemplo, para alcançar a mesma quantidade de açúcar encontrada no refrigerante.

Além disso, as frutas são ricas em fibras que, além de melhorar o trânsito intestinal, também evita os picos de insulina, grande responsável pelo estoque de energia na forma de gordura. Outro bom motivo para não deixar as frutas de lado é que elas são ricas em diversos outros nutrientes importantes como vitaminas, sais minerais e antioxidantes.

Os problemas que o excesso de frutose pode causar

Como você deve ter notado pela explicação dada, o problema não é a frutose em si, mas sim o excesso dela, principalmente quando presente nos alimentos industrializados.

Um dos grandes malefícios é o risco para o desenvolvimento do diabetes. Uma grande quantidade de açúcar no sangue causa o que se chama de resistência à insulina. Por conta disso, o carboidrato não consegue entrar nas células e fica acumulado no sangue.

excesso de frutose

Além do diabetes, a resistência à insulina pode causar um problema de saúde ainda maior: a síndrome metabólica. Essa condição é a associação de quatro doenças graves como a obesidade, a hipertensão arterial, aumento na taxa de colesterol ruim e diabetes. Assim, todos esses males podem ser gerados apenas pelo consumo exagerado da frutose.

Você não precisa parar de comer frutas e demais hortaliças por causa da frutose, apenas controlar o consumo desses alimentos. Veja 10 dicas valiosas de como deixar a sua alimentação mais saudável e assim, melhorar a sua saúde!

PROPAGANDA