Chá de Rosa Branca, Para Corrimento, Inflamação no Útero e Outras Indicações

O chá de rosa branca (cujo nome científico é Rosa alba), também conhecida como rosa de quintal, é tradicionalmente usado para combater diferentes problemas de saúde. Porém, quando se trata de um remédio natural e caseiro, sempre fica a dúvida: será que o chá de rosa branca realmente tem propriedades medicinais?

Neste artigo, falaremos sobre o uso do chá para tratar corrimento e inflamação no útero, além mostrar suas demais indicações e esclarecer se ele corta o efeito da pílula anticoncepcional.

Características e propriedades medicinais:

A rosa branca (Rosa alba L.) costuma formar cachos com 3 ou mais flores, que apresentam pétalas aveludadas. É importante confirmar se são rosas desse tipo na hora de comprar, para garantir as propriedades aqui descritas. Pode-se recorrer a um ervanário confiável ou adquirir a rosa branca desidratada, vendida embalada em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação.

Chá de rosa branca para corrimento

A rosa branca possui propriedades anti-inflamatória, antibacteriana, antifúngica e laxante. Tais propriedades foram analisadas em pelo menos 2 estudos, com resultados publicados em 2008 e 2014.

PROPAGANDA

Chá de rosa branca para corrimento e inflamação no útero é bom?

Para responder a essa pergunta, primeiro precisamos fazer algumas considerações sobre a inflamação no útero.

A inflamação pode ocorrer tanto no colo do útero, sua região mais externa, quanto no interior do útero, no endométrio.

O corrimento, que pode ser marrom, amarelado ou acinzentado e apresentar mau cheiro, é um dos principais sintomas de inflamações no útero. Outros sintomas são: sangramento durante ou após as relações sexuais, dor ao urinar e durante o contato sexual, dor no baixo ventre e sangramento fora do período menstrual.

Não existe uma única causa para a inflamação no útero; ela pode ser causada por germes transmitidos sexualmente, microrganismos que habitam normalmente a vagina (como a Candida albicans), alergias (causadas por preservativos, espermicidas e diafragma) ou lesões, provocadas pelo parto ou pelo uso frequente de duchas vaginais.

O exame preventivo (Papanicolau) e a avaliação do ginecologista durante a consulta podem detectar ou confirmar a presença de inflamação no útero; por isso é fundamental se consultar ao menos 1 vez por ano com esse especialista.

Quanto ao uso do chá de rosa branca, ele pode sim ajudar a tratar a inflamação no útero. O chá contém taninos, substâncias que ajudam a curar inflamações, pois formam uma camada protetora sobre a mucosa danificada.

Entretanto, o chá será um complemento no tratamento, já que é preciso determinar a causa da inflamação e eliminá-la.

Outras indicações do chá da rosa

Além de ajudar a tratar inflamação no útero, o chá de rosa branca é indicado para:

  • Candidíase (oral e vaginal); a rosa branca possui ação comprovada no combate ao fungo Candida albicans, causador da candidíase oral (conhecida popularmente como “sapinho”) e vaginal. Por isso, o chá de rosa branca é eficaz para ajudar a tratar essas duas formas de infecção.

 

  • Infecção urinária; as bactérias do tipo E. coli são responsáveis por 75% dos casos de infecção urinária. Elas migram do intestino para a uretra e “sobem” para a bexiga, causando a cistite. Como o chá de rosa branca combate a E. coli, seu consumo é indicado para ajudar a tratar e sobretudo, a prevenir, a infecção urinária recorrente.

 

  • Prisão de ventre; a rosa branca é rica em mucilagem (fibras solúveis), que aumenta o volume do bolo fecal e evita o endurecimento das fezes. Por isso, o chá tem efeito laxante suave.

 

  • Conjuntivite; por sua ação antimicrobiana, o chá de rosa branca pode ser usado para tratar a conjuntivite, na forma de compressas. Porém, é aconselhável consultar o oftalmologista antes de utilizá-lo e seguir o tratamento prescrito, usando o chá de rosa branca como um cuidado complementar.

 

  • Ferimentos; o chá de rosa branca pode ser aplicado em ferimentos para evitar que os mesmos infeccionem, já que a rosa branca tem ação comprovada contra bactérias do tipo Staphylococcus aureus.

Chá de rosa branca corta o efeito do anticoncepcional?

Não existe nenhuma evidência de que o chá de rosa branca reduza ou anule o efeito dos anticoncepcionais hormonais, que incluem a pílula (uso oral), as injeções, os adesivos para a pele e anéis vaginais.

A única erva que comprovadamente interage com os anticoncepcionais orais, podendo reduzir sua eficácia, é a erva-de-são-joão. Ainda assim, é aconselhável sempre ler a bula do anticoncepcional, na parte “interações medicamentosas”, para saber quais sustâncias podem reduzir ou anular seu efeito.

Como preparar o chá de rosa branca

Pétalas secas: use 2 colheres de sopa de rosa branca desidratada para 1 xícara. Coloque as pétalas na xícara, adicione água quente (retire do fogo quando começar a ferver), tampe e deixe assim até atingir a temperatura desejada para beber.

chá de rosa branca como fazer

Pétalas frescas: use 2 xícaras de pétalas para 3 xícaras de água. Coloque as pétalas em um recipiente, adicione água quente e deixe em repouso, com o recipiente tampado, até atingir a temperatura ideal para o consumo. Coe o chá e beba. Se sobrar, guarde na geladeira, tampado, e consuma em até 12 horas.

Contraindicações e efeitos colaterais.

Ainda não há estudos que apontem efeitos colaterais ou contraindicações ao uso do chá de rosa branca. Entretanto, como ainda não há informações suficientes, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas só devem consumi-lo com a autorização de um médico ou nutricionista.

De beleza exuberante e aroma sensual, a rosa também se mostra um remédio natural eficiente para tratar diferentes problemas de saúde. Como vimos, o chá da rosa branca tem propriedades antissépticas, anti-inflamatórias e laxantes, comprovadas por pesquisas científicas.

Leia Também:

Chá de Alho Para Garganta,Pressão Alta e Infecção Urinária

Chá de Folha de Goiaba: Conheça Todos os Seus Benefícios

Esperamos que essas informações lhe ajudem a ter mais saúde e qualidade de vida.

PROPAGANDA